Home > Carreira > Qualidade de vida > 3 dicas para evitar síndrome de burnout na pandemia

3 dicas para evitar síndrome de burnout na pandemia

Veja como estabelecer limites entre trabalho e vida pessoal mesmo quando está tudo misturado no mesmo lugar
mulher sentada em frente ao notebook com a mão no rosto demonstrando cansaço

A síndrome de burnout na pandemia pode estar mais próxima do que imaginamos. Com a crise, milhares de profissionais passaram a trabalhar remotamente. E o home office, que era uma alternativa tão bem-vinda, tornou-se a única opção viável para continuar o trabalho mesmo durante o distanciamento social. 

Como se não bastasse a necessidade de adaptação de ambiente, convívio familiar e tecnologia, precisamos nos adaptar também a sermos produtivos fora do escritório.

E é exatamente nesse momento de tantas adaptações que o risco de desenvolvermos a síndrome de burnout aumenta. É isso o que apontam as pesquisadoras Laura Giurge e Vanessa Bohns, que publicaram um artigo na Harvard Business Review com dicas para afastar essa ameaça.

Por que podemos desenvolver síndrome de burnout?

A Síndrome de Burnout é um tipo de esgotamento profissional que sofremos depois de um longo e intenso período de estresse. É quando nos sentimos eternamente cansados, como se não tivéssemos energia para nada. Não conseguimos nos concentrar e nos sentimos desanimados e fracassados. Conhece essa sensação? 

As pesquisadoras alertam que, neste momento de trabalho remoto forçado, nós podemos cair no erro de nos sentimos culpados – ainda que não tenhamos culpa alguma – por estarmos em casa.

Queremos compensar essa “culpa” trabalhando sem parar e mostrando aos chefes e colegas que continuamos produtivos – produtivos demais, aliás. Ou seja, queremos, mais do nunca, ser o profissional modelo. E essa pressão que colocamos sobre nós mesmos pode nos deixar extremamente estressados e esgotados.

É a situação perfeita para desenvolver a síndrome de burnout na pandemia. Para piorar, muitas vezes os nossos chefes também não estão preparados para lidar com essa situação e acabam colocando ainda mais nervosismo na nossa rotina. 

Como evitar síndrome de burnout na pandemia

As pesquisadoras apresentaram três dicas para quem quer (e precisa, claro) evitar a síndrome de burnout neste momento. Apesar de sérias, as recomendações são bastante simples de seguir.

Quer tentar? Vamos lá. 

Mantenha limites físicos e sociais

Em situações normais, nós separamos “trabalho” de “vida pessoal” quando nos vestimos para sair, pegamos trânsito e damos bom dia aos colegas no escritório. Ou seja, nós cruzamos algumas fronteiras. 

Segundo Laura e Vanessa, precisamos de alguma forma manter essas fronteiras durante a pandemia. Isso significa que não é boa ideia passar o dia todo de pijama e nem bagunçar todos os seus horários.

As pesquisadoras recomendam que você se vista para trabalhar, mesmo que em casa, e faça alguma atividade física, mesmo que seja uma caminhada pelo próprio apartamento, antes de se sentar para o trabalho. 

Determine horários para as atividades

Em casa, você precisa cuidar das refeições, dos filhos (se tiver), da roupa suja, das plantas e de tudo mais o que for aparecendo pela frente. Novamente, cenário ideal para desenvolver síndrome de burnout.

A dica das pesquisadoras é criar uma agenda para a casa, estipulando horários para o trabalho, para os filhos e para a rotina doméstica. 

Concentre-se no seu trabalho mais importante

A terceira dica é dedicar sua energia no que é mais importante. Segundo o artigo, é comum que a gente queria mostrar muita produtividade no trabalho em home office, mas isso pode fazer com que a gente se concentre em tarefas imediatas, que mostram trabalho, e esqueça o que realmente é importante. 

É preciso estabelecer prioridades e se focar nelas. As pesquisadoras afirmam que um profissional médio só é produtivo três horas por dia, em média, e precisa estar totalmente focado na atividade que está realizando durante esse período. Ou seja, não deve ser interrompido nem tentar ser a pessoa mais multitarefa do mundo – isso não dá certo. 

“Os funcionários que se sentem ‘ligados’ o tempo todo correm maior risco de esgotamento quando trabalham em casa do que se estivessem indo ao escritório como de costume”, diz elas. 

Ou seja, para o bem da sua produtividade, não aproveite cada minuto do dia e da noite para checar e-mails e responder whatsapp de trabalho. O prejuízo para sua saúde mental pode ser imenso. 

Para colaborar mais com sua saúde durante a pandemia, confira o post Como manter hábitos saudáveis no trabalho a distância.

Cadastre seu currículo no VAGAS.com.br e aproveite inúmeras oportunidades de emprego. Se você já tem um cadastro, atualize-o aqui.