Home > Busca de emprego > Currículo > Pretensão salarial: o que responder e como colocar no currículo

Pretensão salarial: o que responder e como colocar no currículo

Veja como fazer o cálculo e dar a melhor resposta para o entrevistador

Você sabe como falar sobre sua pretensão salarial? É preciso ter essa resposta pronta, principalmente quando se está procurando emprego, mas também quando está empregado, porque nunca sabemos quando vamos receber uma proposta.

Neste post, vamos explicar passo a passo o que é pretensão salarial e como você pode definir a sua para estruturar sua melhor resposta e aumentar as chances de ser remunerado como deseja.

O que é pretensão salarial?

Pretensão salarial é o salário que você acha que deveria ganhar ao ser admitido por uma empresa para realizar a função a que você está se candidatando. Ou seja, é o quanto você acha que vale o seu trabalho considerando quanto o mercado vem pagando por ele.

Por que as empresas pedem pretensão salarial?

As empresas perguntam qual é a pretensão salarial de um candidato para saber se o que elas têm a oferecer está alinhado com o que eles desejam. 

Por exemplo, se um profissional espera ganhar R$ 6 mil e a vaga prevê salário de R$ 3,5 mil, é muito provável que esse candidato não seja o ideal para ocupar a posição. Com base nesta informação, a empresa avaliará se irá ou não seguir com o candidato no processo seletivo.

Devo colocar pretensão salarial no currículo?

A sua pretensão salarial não é uma informação obrigatória no currículo. O mais comum, na verdade, é que esse assunto seja tratado apenas durante a entrevista. 

No entanto, apenas quando a empresa solicitar a inclusão desse dado, você pode fazer isso de forma bem objetiva, criando um tópico específico. 

Desta forma:

“Pretensão salarial: R$ xxxx.”

Esse tópico pode vir logo abaixo do seu “Objetivo profissional”.  

Como definir minha pretensão salarial?

A pretensão salarial não pode ser tirada do nada. Ela deve ser baseada nos seus últimos salários e na realidade atual do mercado de trabalho. Situações de crise tendem a desvalorizar os salários, mas também podem inflacionar algumas áreas específicas.

Vamos ao passo a passo:

Quem está empregado deve considerar uma “taxa” de risco

Se você estiver trabalhando e receber uma proposta para mudar de emprego, pode colocar na conta da sua pretensão salarial quanto teria de ganhar a mais para aceitar o risco de ir para um lugar novo. Toda mudança envolve risco. Pode dar muito certo, mas também pode não dar e aí você já terá deixado pra trás o emprego que tinha e gostava.

Normalmente, quem está feliz no trabalho e recebe uma proposta, por exemplo, tende a inflar sua pretensão com proporções maiores do que 20% de seu salário atual. Já aqueles que estão trabalhando, mas não muito contentes, tendem a pedir valores iguais ou pouco maiores. 

Último salário é referência para quem está desempregado

Se você estiver desempregado, seu último salário é a melhor referência na hora de calcular sua pretensão salarial. Se ganhava R$ 5.000, por exemplo, significa que alguém, em algum momento, entendeu que seu trabalho valia isso. 

No entanto, é preciso lembrar que o último salário é resultado de anos de trabalho, muitas vezes com promoções, correções, dissídios, tempo de serviço. Quando você perde o emprego, perde também boa parte dessas conquistas e precisa se adequar à realidade atual do mercado.

É por isso que falamos que o último salário é uma boa “referência”. Ele deve ser levado em consideração, mas também não podemos desconsiderar algumas variáveis, como a situação do mercado em geral, as finanças do profissional desempregado e também o estado do segmento da empresa.

Salários variam muito para o mesmo cargo

O mesmo cargo da mesma empresa pode ter grandes variações de salário dependendo do nível de experiência do profissional. Além disso, o salário também varia bastante de acordo com o tamanho da contratante.

É por isso que os guias salariais costumam ter várias colunas para cada cargo. Segundo o Guia Salarial 2021 da Robert Half, consultoria de recrutamento, o salário de um analista contábil pode variar entre R$ 5.000 a R$ 11.000, dependendo da sua experiência e do porte da empresa em que trabalha.

Pesquise o mercado 

Em momentos de crise, os salários são rapidamente forçados para baixo. Neste período, para ter mais chance de acerto, o profissional que está em busca de emprego deve sinalizar para o mercado uma pretensão salarial com valor igual ao último salário ou até 20% abaixo. 

Valores menores que estes podem deixar o recrutador inseguro, imaginando que, na primeira oportunidade com salário maior que aparecer, o profissional abandonará a empresa.

Para saber como anda o mercado de trabalho é preciso acompanhar os índices de desemprego e a quantidade de vagas abertas. Quanto mais vagas abertas e menor o índice de desemprego, mais valorizados tendem a estar os profissionais. 

Por outro lado, quando há muito desemprego no país e poucas empresas estão contratando, os salários tendem a ser mais baixos. 

Considere seu custo de vida

Para saber quanto você pode ajustar seu salário para baixo em momentos de crise é importante considerar seu custo de vida. Do que você pode abrir mão? Quanto você consegue baixar no seu custo fixo? É importante fazer contas para não indicar uma pretensão salarial que não cumpra a sua necessidade mensal. 

Pense na sua experiência

A experiência é fator determinante para definir se um profissional é júnior, pleno ou sênior. E essa definição tem impacto direto na sua faixa salarial. 

Embora não exista uma regra clara para definir a diferença de remuneração entre os níveis, é fato que um analista júnior ganha menos que o analista sênior.

Entenda quais são os benefícios

Benefícios são uma forma indireta de remuneração. Por isso, no momento de definir a sua pretensão salarial, leve em conta se a empresa oferece plano de saúde familiar, auxílio educação ou previdência privada, por exemplo. 

Considere as oportunidades de crescimento

Também é importante avaliar se você terá oportunidades de crescimento dentro da empresa. Se houver essa possibilidade, talvez seja o caso de aceitar um salário inicial abaixo do que você imaginava para tentar se desenvolver e conseguir uma promoção. 

Por outro lado, se claramente não há caminhos para você crescer na empresa, tentar negociar um salário um pouco melhor pode ser mais interessante. 

Qual é a hora certa de falar sobre pretensão salarial na entrevista?

Quem define a hora de falar sobre pretensão salarial na entrevista é o entrevistador. Isso significa que você deve tocar no assunto apenas se for perguntado.

Em alguns países pode ser mais simples falar sobre isso. No Brasil, no entanto, salário é um assunto complicado, quase um tabu. Portanto, mesmo que você esteja curioso para saber a remuneração do cargo que está disputando, não ultrapasse esse sinal vermelho. Sua curiosidade pode ser mal interpretada pelo entrevistador e você pode perder muitos pontos com ele. 

Como responder qual a sua pretensão salarial

Quando o recrutador perguntar qual a sua pretensão salarial, você precisa estar com a resposta pronta, considerando todos os pontos que citamos aqui no texto. Vá para cada entrevista com o número pronto na sua cabeça.

É importante entender que essa não é uma pergunta simples. E, o que é pior, não existe uma resposta “correta” para ela. O que existe é a melhor resposta para cada situação, cada contexto.