Home > Oráculo > Você tem o controle da sua vida?

Você tem o controle da sua vida?

Por Alan Santos

Nota: o texto a seguir contém spoilers.

Um contador, gerente de contas que nem sabe por que é gerente de contas. Há um enorme potencial dentro dele, esperando para ser liberado. Mesmo com medo de conhecer sua verdadeira essência,o invisível tornou-se O Procurado.

 

 

Tabuleiro na mesa e os dados devem ser jogados. Conheça Wesley Gibson.

Casa 1: Apenas seguindo o fluxo

Janice, a chefe, é um porre. O escritório é cercado de puxa-sacos e o trabalho em si parece não ter significado algum. Wesley (James McAvoy), de 25 anos, vive no piloto automático e a apatia o cega. A frustração é grande por não ter ideia de onde é seu lugar.

Com o mercado de trabalho cada vez mais acirrado, pode ser loucura largar tudo por uma felicidade incerta. Prudência é necessária, mas é bacana ter bom senso para que não se fique estagnado. É preciso saber quando mudar e isso não é fácil — afinal, a mesma receita de bolo pode não ser saborosa para todos.

Levado pelas circunstâncias, siga para a próxima casa.

Casa 2: Fim da linha ou um novo começo?

Só os ansiolíticos resolvem quando as coisas ficam pesadas demais para Wesley. São os momentos em que a visão turva e o coração quase sai pela boca. E não precisa acontecer nada de tão especial. Bastam as DRs matinais com a namorada infiel, o barulho do trem chacoalhando a casa, a caminhada pelas mesmas ruas, o grampeador de Janice perto de seus ouvidos. Em seus delírios, até o caixa eletrônico o chama de otário. Como diz a letra da canção dos Nine Inch Nails, tema do filme, “everyday is exactly the same”.

 

 

Eis que chega o estranho dia em que a resposta do jovem às indagações da chefe não é o usual “me desculpe”, mas um sonoro e intenso “vai se *****”. Para fechar o espetáculo, o agora eufórico e sorridente Wesley usa um teclado de computador para, em um único golpe, extrair vários dentes do colega de trabalho que visitava sua namorada.

Os gatilhos para essas atitudes são o encontro com Fox (Angelina Jolie) numa farmácia, o que desencadeia o início da jornada do jovem em uma liga de assassinos treinados para executar “as ordens do destino” e a nova cara da conta bancária: 3 milhões de dólares herdados do pai, também um matador da fraternidade.

Na nossa realidade, o empurrão pode ser algo bem mais light, como uma proposta de trabalho num local diferente ou a possibilidade de uma viagem para um lugar distante. O que resta a quem quer se mover é saber identificar essas situações — enquanto ainda estiverem disponíveis.

Pelo descontrole, fique uma rodada sem jogar, para depois avançar duas casas por conta da coragem de se reinventar.

Casa 4: Um mundo novo para explorar

A fraternidade é a grande oportunidade de uso dos verdadeiros talentos do ex-contador. O modo como ela se apresenta é, digamos, bem radical. Wesley é pressionado, por uma arma apontada para sua cabeça, a iniciar seus treinos de tiro. Entre sustos e perseguições no trânsito, o rapaz descobre que a ansiedade que antes tanto o atrapalhava pode ser usada como ingrediente importante na arte de fazer as balas do revólver fazerem curvas. A ansiedade altera sua percepção de tempo de forma sobrehumana. Uma vantagem competitiva muito grande frente aos oponentes.

“Isso é loucura”, diz o novo atirador a Sloan (Morgan Freeman). Ouve como resposta:

“Loucura é você ser humilhado todos os dias tendo um leão dentro de você.”

Muita gente no mercado de trabalho vive no habitat dos patos, sem se dar conta de que deveria estar com os cisnes. Uma caraterística não apreciada em uma determinada posição ou empresa pode ser exatamente aquilo que algum outro empregador procura, talvez não muito distante dali.

Surpreendente! Avance quatro casas.

Casa Final: Desafiar e ser desafiado

O trabalho é árduo. Wesley se desenvolve literalmente levando pancadas. Ao fim de cada dia é mergulhado numa banheira cheia de gelo para se recuperar. Levando as coisas ao limite, ele se torna o melhor atirador do time, superando seus mentores. Chega o momento em que a naturalidade no exercício da nova atividade faz com que ele consiga enxergar os segredos que os colegas escondem e, mais do que isso, tentar transformar essa realidade, mesmo que sozinho.

O Procurado é um filme de ação irônico e corajoso, que brinca com as leis da Física sem pudor, a favor da mensagem do protagonista:

“Esse sou eu tomando o controle. E você, o que tem feito da vida?”