Home > Oráculo > O que aprender com a trama do filme Os estagiários

O que aprender com a trama do filme Os estagiários

Por Lívia Freitas

Você foi demitido. E então, o que fazer agora? Você já está na casa dos quarenta e não entende nada de tecnologia e mídias digitais. Esse é o cenário da comédia Os estagiários, dirigida pelo canadense Shawn Levy (Uma noite no museu 1 e 2. Gigantes de aço), com roteiro de Vince Vaughn (Penetras bom de bico, O dilema), também ator da trama.

No filme, Billy (Vaughn) e Nick (Owen Wilson) são vendedores de relógios que ficam desempregados quando a empresa resolve fechar as portas. Então eles decidem se candidatar para uma vaga de estagiário em uma das empresas mais atraentes do mundo digital, o Google.

A grande brincadeira da trama está aí: dois quarentões que não entendem nada de tecnologia estagiando em uma das empresas mais inovadoras do cenário atual. A dupla se depara com diversas dificuldades como chefes muito mais novos, um ambiente que de longe não é a praia deles, o preconceito pela idade e até por falar “on the line” em vez de “online”.

Deixemos o exagero de Hollywood de lado: a história tem bons pontos de reflexão sobre carreira e como lidamos com imprevistos. Alguns são:

  • Billy e Nick não são da geração digital e são obrigados a procurar novos rumos. Optam por sair da zona de conforto e buscar desafios em uma área com a qual não estão familiarizados.
  • Eles sofrem preconceito por serem os únicos mais velhos, fora do padrão geek muito comum entre os googlers (como são chamados os colaboradores da empresa). Mas mesmo assim não desanimam na busca por seus objetivos.
  • Estão sempre abertos para aprender coisas novas e totalmente fora de sua realidade. São propensos a uma fácil adaptação e muito dispostos a ajudar os outros (mesmo quem não os quer por perto).
  • A dupla de velhotes dá uma aula aos jovens nerds sobre trabalho em equipe. Embora não tenham as habilidades técnicas, são ótimos em relações humanas (característica um tanto quanto extinta na empresa retratada no filme).

Na história, fica evidente como a diversidade é importante em qualquer ambiente. Se convivemos apenas com pessoas iguais a nós, não conseguimos olhar além do horizonte e ver novas possibilidades.

Da ficção para nossa realidade

Parece impossível quarentões estagiando? Pois um dado curioso é o resultado de uma recente pesquisa realizada pelo CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) que aponta em seu banco de currículos cerca de 5.910 estagiários com mais de 40 anos em todo o Brasil. Só na cidade de São Paulo são 1.146.

Os motivos mais prováveis para isso são pessoas mais velhas, como os atores do filme, buscando oportunidades em uma nova carreira. E há mercado para esses estagiários! De acordo com informações do Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube), entre 2011 e 2012, o porcentual de quarentões contratados por intermédio da companhia cresceu 32%.

Outro fator para o grande número de estagiários quarentões é o acesso mais fácil à universidade nos dias atuais. Segundo o Ministério da Educação (MEC), no decênio 2001-2011, o número de estudantes matriculados em cursos superiores no Brasil subiu 122% e fechou o período com 6,73 milhões de pessoas. Estudantes com mais de 40 anos seguiram o ritmo: entre 2009 e 2011, esse grupo cresceu de 545982 para 622305 (alta de 13,9%, crescimento relativo maior do que o da média geral de alunos do ensino superior).