Home > Oráculo > Aprender a andar, depois a voar

Aprender a andar, depois a voar

Por Alan Santos

 (O texto pode conter spoilers*)

Algumas empresas se desdobram para oferecer a seus aprendizes e estagiários, treinamentos cada vez mais modernos. Mas nada que se compare ao método pouco ortodoxo e muito eficaz do Sr. Miyagi (Pat Morita). Não se pode dizer que Daniel Larusso (Ralph Macchio) estivesse estagiando em uma empresa. Mas com certeza, o protagonista do primeiro “Karate Kid” foi um aprendiz com todas as letras (incluindo as partes boas e as não tão boas) nas mãos de seu mentor.

Tudo tem início com a mudança de Daniel para a California. O garoto, descendente de italianos, não se identifica com o local ensolarado onde todos são loiros e adoram surf. Os ingredientes de outros filmes que conheceríamos depois estão todos lá: a garota mais bonita da escola (Elisabeth Shue), o ex-namorado troglodita dela (William Zabka), a mãe que “paga mico” (Randee Heller) e o bullying correndo solto. Cansado de apanhar quase todos os dias por causa de seu interesse em Ali, a garota bonita, Daniel decide aprender karatê. Para tanto, pede a ajuda de Miyagi, o simpático zelador de seu prédio.

Entusiasmado com a perspectiva de poder, enfim, enfrentar a gangue de Johnny (ex-namorado de Ali), o jovem chega cedo ao primeiro dia de treino. O Sr. Miyagi estabelece um pacto com o garoto: “prometo te ensinar karatê e você promete aprender. Sem perguntas”. Mas a primeira lição não é recebida com muita alegria pelo aprendiz: lavar e encerar todos os carros do mestre, usando a técnica de fazer círculos, intercalando os movimentos das duas mãos.

Aprender a andar, depois a voar

Daniel, mesmo a contragosto, realiza a tarefa com perfeição. Os dias se passam e o rapaz segue esfregando o assoalho e pintando a cerca de madeira da casa de Miyagi (cena clássica). Revoltado com o volume de trabalho, os passeios do mestre e a aparente falta de orientações voltadas às artes marciais, o jovem esbraveja: “quando vou aprender os golpes?”. É fácil notar que o mestre realmente economizou uma boa grana com lava rápido. Se bem que, posteriormente, deu um dos carros de presente a Daniel.

Especificamente falando sobre aprendizes e estagiários, não é raro que pessoas em sua primeira experiência profissional sintam-se, às vezes, frustradas por não exercerem somente as atividades de que mais gostam. Pode ser complicado transitar entre a adolescência protegida pelos pais e a vida adulta, que apresenta suas oportunidades acompanhadas das respectivas responsabilidades. Por outro lado, existem de fato, empresas, pessoas e atividades das quais é difícil tirar algum aprendizado. Mas isso não é de todo mal. Todos nós precisamos passar por experiências variadas. De certa forma é algo não muito tangível, mas são necessários alguns “calos” nas mãos para que se possa exercer as atividades escolhidas, no futuro, com autonomia. Até a situação profissional aparentemente mais desastrosa pode trazer bons frutos. E é sempre bom ter em mente que nem tudo é o que parece. Miyagi mostra então que os movimentos ensinados durante as tarefas domésticas eram, na verdade, um primeiro contato com os golpes mais importantes do karatê.

Representando talvez aquela chefia que realmente não vai ajudar muito a subida do aprendiz ou estagiário os degraus que deve subir, é possível citar o esquentado John Creese (Martin Kove), mestre da academia que treina os rivais de Daniel-san. Ele é oposto de Miyagi, para quem os valores morais estão em primeiro lugar. Creese mais parece um general do que um mestre de karatê. Impressiona os jovens por seu status e pela estrutura de sua academia. Defende a força bruta, a individualidade e até a trapaça, desvirtuando o verdadeiro sentido de qualquer arte marcial. Sim, também existe gente assim no mercado de trabalho. Ainda bem que estes são parte de uma minoria.

Ao longo de algumas situações, mesmo que se encontrem alguns espinhos, certamente pode-se desenvolver características importantíssimas como: equilíbrio, paciência, humildade, confiança e “jogo de cintura”. Quem está iniciando uma caminhada precisa dar um passo de cada vez, para sua própria segurança. Nas palavras do mestre, algo que se aplica não apenas a Larusso, mas a todos nós: “primeiro aprender a andar, depois a voar. É uma lei da natureza, Daniel-san, não minha”, filosofa o mestre.

  Para finalizar, dicas do Sr. Miyagi para quem está no começo da carreira:

  • Tenha paciência. As coisas acontecem em seu devido tempo;
  • As aparências realmente enganam. Não se deixe levar por elas. Observe, reflita e só depois tire suas conclusões, se realmente elas forem necessárias;
  • Quanto mais você repetir uma tarefa, mais especializado vai ficar;
  • Persistência é uma virtude importante;
  • Foque no resultado. Ele é o que importa. O caminho até lá não deve ser uma distração;
  • Tarefas chatas fazem parte da vida;
  • Não reclame se seu chefe pedir para você lavar os carros dele. Um deles pode ser seu depois;
  • Pense antes de agir;
  • Às vezes, o que importa não é a quantidade de conhecimento que você absorveu, mas a qualidade do que você já sabe;
  • Assuma uma posição. Miyagi diz: “andar pela estrada, pelo lado direito, seguro. Pelo lado esquerdo, seguro. Pelo meio, mais cedo ou mais tarde você é espremido como uma uva”.

Sobre o filme:

Karatê Kid – A Hora da Verdade (The Karate Kid)
1984, EUA
Direção: John G. Avildsen
Elenco:  Ralph MacchioPat MoritaElisabeth Shue
Duração: 126min.

*Spoilers são informações chave sobre um filme, livro ou série de tv, que podem estragar a surpresa para quem ainda não conhece a obra.