Home > Dicas > Currículo: como descrever seu “Objetivo Profissional”

Currículo: como descrever seu “Objetivo Profissional”

Dicas de especialista para mostrar que você tem foco na carreira

por Alessandra Tomelin*

O campo Objetivo Profissional é uma das informações mais importantes de todo o currículo. É ele que demonstra para o mercado de trabalho o que você está buscando e quais são suas expectativas profissionais. Por isso, é muito importante preencher esse campo corretamente, certificando-se de que as áreas de interesse de seu currículo estejam alinhadas com o que a empresa solicita na vaga a que você quer se candidatar.

Algumas pessoas costumam preencher esse campo com a frase “a critério da empresa”, mas essa é uma estratégia que eu não recomendo. Pode parecer que você não sabe o que quer e não tem foco. A dica, então, é identificar quais áreas de atuação interessam mais para a trajetória que você está buscando. Vamos lá.

Como preencher seu “Objetivo Profissional”

  • Um candidato que ache interessante trabalhar com pessoas pode colocar “Atendimento ao cliente”, “Recursos Humanos” ou “Administração”;
  • Um candidato com aptidão para trabalhar com números, mas que também considere interessante conseguir uma chance em uma área mais técnica, pode preencher “Financeiro”, “Departamento Pessoal” ou “Informática”.

Para as pessoas que já estão trilhando um caminho e têm intenção de vivenciar uma nova experiência profissional, a sugestão é explicitar isso claramente no objetivo.

Como saber se seu “Objetivo Profissional” está correto na VAGAS?

1. Depois de acessar o VAGAS.com.br com seu usuário e senha, clique em “Atualizar currículo”;

2. No item “Objetivos”, confira se suas áreas de interesse estão de acordo com o que foi solicitado na vaga que deseja se candidatar.

Por exemplo, se o objetivo descrito pela empresa for “auxiliar administrativo”, você deve preencher o campo “objetivo profissional” com as mesmas palavras. No caso, “auxiliar administrativo” mesmo.

O “nível” deve ser preenchido de acordo com sua experiência profissional. Neste caso, deve ser “auxiliar/operacional”.

A “área” é o setor da empresa em que você quer trabalhar. Algumas opções são: Administração de empresas, Advocacia/Jurídica, Bancos etc. Se esses três campos estiverem desalinhados, é hora de ajustá-los.

3. Não esqueça de salvar as atualizações do seu currículo!

Atenção: é muito importante que esteja vinculado a sua área de atuação e ao que você sabe fazer, pois não é recomendado alterar esses campos para todas as vagas, ok?

E o campo Experiência Profissional?

Toda experiência profissional pode ser interessante dependendo do perfil que está sendo buscado. Mas, em alguns momentos, uma atividade que tenha sido curta e sem tanta importância talvez não precise ser incluída. Vamos ao exemplo!

O candidato hoje está na área de TI e deseja continuar nesta área, focado em programação. Muitos anos antes fez estágios nas áreas de Administração e Finanças. Essas vivências podem ser encaradas como diferenciais pelo recrutador, em uma oportunidade de programador de produtos para a área financeira.

Não há uma regra especifica na hora de se incluir uma experiência profissional no currículo. Isso depende de uma análise maior e o bom senso deve ser usado. O mais importante é: nunca inventar informações. Esse é o grande pecado. Sem dúvida, inventar experiências, cursos e atividades não é um caminho válido, pois em algum momento a mentira será descoberta.

Cadastre seu currículo no VAGAS.com.br e aproveite inúmeras oportunidades de emprego. Se você já tem um cadastro, atualize-o aqui.

*Alessandra Tomelin tem mais de 15 anos de experiência trabalhando com pessoas e relações na área de Recursos Humanos. Ela é formada como Psicóloga, Master Coach e Business Partner.