Home > Dicas > Convidar ou não convidar? Eis a saia justa…  

Convidar ou não convidar? Eis a saia justa…  

Dicas para não se enrolar na hora de chamar colegas para alguma festa

por Fernanda Bottoni

Você vai casar ou faz dar uma festa de aniversário mas não sabe muito bem como convidar alguns colegas do trabalho – e não convidar outros – sem ficar numa saia justa ou queimar o seu filme por bobagem. A situação é muito comum. Quase todo mundo sofre com isso ou vai sofrer um dia. A solução, no entanto, pode ser muito mais simples do que parece. Quer ver? Confira estas dez dicas da consultora de imagem Ana Vaz.

1 – “Você não é obrigado a convidar ninguém para uma comemoração sua, seja de dentro ou de fora do trabalho”, diz ela. Claro que a forma como você vai exercer o direito de convidar apenas quem você realmente quer na festa pode ter impacto direto sobre a sua vida profissional. Por isso, é preciso tomar alguns cuidados.

2 – Em casamentos, especialmente, que são caros, ninguém tem obrigação de ter dinheiro para fazer uma festa gigantesca. Aliás, se você já sabe que vai casar e que não vai rolar convidar um monte de gente, o melhor é fazer o mínimo de alarde sobre o evento. Sem contar que a moda de festas pequenas, para 50 ou 60 pessoas, está voltando e isso já justifica que apenas alguns colegas mais próximos sejam convidados.

3 – Para não criar constrangimento, entregue o convite para os amigos fora do ambiente de trabalho. “Deixe para fazer isso num almoço ou num café fora da empresa ou, se for o caso, vá até a casa da pessoa no final de semana para fazer isso”, recomenda a consultora. O ideal também é que o convite seja entregue num envelope que não dê muita bandeira. Sim, disfarçar é possível e não faz mal a ninguém.

4 – Peça aos convidados que sejam discretos. “Se você está chamando apenas os mais próximos, eles devem entender o seu pedido”, diz ela. Não é deselegante fazer isso, garante Ana.

5 – Deselegante de verdade seria entregar três convites numa rodinha em que quatro colegas estão conversando. “Isso é fazer picuinha e causar constrangimento para todos”, diz ela.

6 – A recomendação é a mesma para uma festa de aniversário, um open house ou qualquer reuniãozinha que você decida fazer com os amigos. Chame quem você quiser, mas seja discreto e evite ficar comentando o evento no escritório.

7 – A dica vale inclusive para a festa de aniversário dos seus filhos. “Tem muita gente que pensa que precisa chamar todo mundo que tem criança e isso não é verdade”, diz Ana. Se seu filho for muito pequeno, você pode convidar seus amigos mais próximos e sua família. Se ele já for maior e tiver um círculo de amizade, o melhor é dar preferência aos convidados dele. Afinal, de quem é a festa mesmo? Se não houver restrição em relação ao número de convidados, aí, sim, você pode chamar os amigos de todo mundo. Novamente apenas por vontade, não por obrigação.

8 – É improvável que isso aconteça, mas… se alguém vier reclamar que não foi convidado enquanto os outros colegas foram, você pode dizer que convidou poucas pessoas porque o local era pequeno. “Tente sair pela tangente e, se for inevitável, pode usar uma mentira social e dizer que da próxima vez espera poder convidar todo mundo etc”, diz a consultora.

9 – Por outro lado, se você foi convidado para um evento desse tipo e sabe que nem todos os colegas do escritório tiveram a mesma sorte, seja discreto, mesmo que o dono da festa não se lembre de fazer esse pedido. A dica vale inclusive para as redes sociais. Nada de ficar postando fotos ou comentários para todos saberem onde você está e o que está rolando. Isso cria polêmica. Agora, se o próprio dono da festa estiver fazendo isso sem se preocupar com o resultado e você achar que não haverá problema, ok. Pode compartilhar a alegria com os amigos.

10 – Bem… Se você foi um dos “não convidados” para a festa, a dica é não se fazer de ofendido e entender, de verdade, que nem todo mundo tem disponibilidade financeira para fazer um super evento e convidar todo mundo. “Pense que possivelmente você não seja tão próximo da pessoa, lamente com você mesmo (no máximo) e trate de tocar a vida adiante.” Portanto, nada de tirar satisfações ou fechar a cara.