Home > Carreira > Evolução profissional > Fui demitido e agora? Guia prático para seguir em frente

Fui demitido e agora? Guia prático para seguir em frente

Veja como se organizar para superar essa etapa e começar a procurar um trabalho
Garota faz as contas depois de ser demitida

“Fui demitido, e agora?”. A primeira coisa que precisamos dizer é que este não é o fim do mundo – e nem o fim da sua carreira. Se você está passando por um momento assim, fizemos este post para mostrar como é possível atravessar essa fase da melhor forma, sem perder o foco no que é mais importante: você. Vamos lá? 

“Fui demitido, e agora?” Saiba por onde começar

Ser demitido não é fácil para ninguém. Quando isso acontece, é natural que uma mistura de sentimentos ruins inunde a nossa mente. Nós questionamos nossa competência e tendemos a supervalorizar qualquer erro que tenhamos cometido. Ao mesmo tempo, precisamos lidar com questões burocráticas e, muitas vezes, problemas financeiros. Mas é possível passar por tudo isso de uma forma mais leve, direcionando a energia para cuidar melhor de você e, claro, sem deixar de procurar uma recolocação. 

Procure entender os motivos da demissão

Entender os motivos da demissão não significa se culpar por ter sido demitido e nem ficar preso àquela sensação incômoda do “Fui demitido e agora?”. Muitas vezes, especialmente em situações de crise, as empresas precisam fazer cortes – e ser demitido nessa situação depende muito pouco de seus erros ou acertos. 

De qualquer forma, a ideia é aprender alguma coisa com isso. Tente avaliar – com calma – o que poderia ter sido diferente. Relembre os feedbacks que recebeu na empresa, se for o caso. O que eles apontavam? Você foi atrás dos seus pontos de melhoria? Esse entendimento não vai trazer o seu emprego de volta, mas pode ajudar a não repetir erros – se é que houve erros – no próximo trabalho. 

Informe-se sobre seus direitos

Ao ser dispensado de uma empresa, é importante que você conheça os seus direitos. Por exemplo, você tem direito a receber saldo de salário, férias, horas extras, 13o salário proporcional. Tem direito também ao aviso prévio – trabalhado ou indenizado. Além disso, pode sacar o saldo do seu FGTS e tem direito à indenização de 40% do valor do saque do FGTS. Para saber mais, confira nosso post Direitos na demissão ou dispensa: saiba quais são.

Veja como dar entrada no seguro-desemprego 

De forma geral, se você trabalhou em uma empresa com registro em Carteira de Trabalho e foi dispensado sem justa causa, você pode dar entrada nesse benefício. É preciso ficar atento ao prazo porque o pedido precisa ser feito de 7 a 120 após a data de dispensa. Para saber mais sobre isso, confira Seguro-desemprego: tudo que você precisa saber para receber

Converse com seus colegas de trabalho

Conversar com colegas do trabalho, da escola, da faculdade também pode estimular seu networking e ajudar a conseguir recolocação. Além disso, é uma excelente forma de manter o ânimo e fazer todo mundo saber que você está no mercado em busca de oportunidades. Atenção, no entanto, para não falar mal de ninguém e nem da empresa em que trabalhou. Lembre-se de que comentários desse tipo não ajudam ninguém. 

Cuide da sua saúde mental

Nesse momento, é natural que você se sinta estressado ou desanimado (ou as duas coisas ao mesmo tempo). A dica é reservar alguns momentos para fazer coisas que você gosta e que não tinha tempo enquanto estava trabalhando.

No entanto, se essas sensações persistirem por muito tempo ou impedirem você de fazer o que gosta, de conversar com pessoas ou até de procurar outro emprego, talvez seja o caso de buscar ajuda especializada. 

A ONG Cruzando HIstórias oferece sessão gratuita para pessoas na sua situação. Para saber mais, veja ONG oferece apoio psicológico gratuito para desempregados.

Como lidar com os primeiros 7 dias depois do “Fui demitido e agora?”

Os sete primeiros dias depois da demissão costumam ser os mais difíceis. Criamos um pequeno guia para ajudar você a passar por eles da melhor maneira possível. Vamos tentar? 

1º dia: aceite a perda

Somos pessoas, não máquinas. É natural que você fique emocionalmente abalado nessa hora. A recomendação é que você tire esse dia para refletir e também para ficar com pessoas próximas que poderão te dar apoio.

2º dia: elabore (ou atualize) seu planejamento financeiro – Parte 1

Criar um planejamento financeiro também é uma boa estratégia para saber exatamente como está a sua situação e como você deve se organizar daqui pra frente. A ideia é listar todos os valores que entram em seu caixa mensalmente e confrontar com os valores que saem. O dinheiro que sobrar em seu extrato será seu “saldo” e, positivo ou negativo, ele deverá ser “acumulado” no mês seguinte. Para hoje, a sugestão é que você acesse seu extrato bancário e faça o levantamento de seus gastos dos últimos 3 meses, pelo menos. Veja um exemplo a seguir:

Dica: na internet é possível baixar  planilhas em Excel prontas para você preencher os valores.

3º dia: elabore (ou atualize) seu planejamento financeiro – Parte 2

Agora que você já fez o levantamento de seu histórico financeiro de pelo menos o último trimestre, chegou a hora de fazer a projeção de como estará o seu caixa nos próximos meses. Para fazer esse exercício, tenha em mente que:

  • Você não irá mais receber seu salário, mas valores a receber como férias vencidas, seguro desemprego ou até mesmo FGTS devem ser considerados, dependendo de sua situação empregatícia. Faça o cálculo da sua rescisão;
  • Algumas de suas despesas mensais poderão sofrer redução, como por exemplo o gasto diário com transporte, que passará a ser semanal, dependendo do volume de entrevistas que você participar;
  • Considere a média dos últimos 3 meses para projetar suas despesas para os próximos meses.

4º dia: busque outras fontes de receitas de curto prazo

Com o seu plano financeiro nas mãos, você saberá exatamente quantos meses você tem de vida financeira “no verde”. Para ganhar ainda mais fôlego, tire o dia para refletir sobre alternativas que você tem para conseguir uma nova fonte de receita no curto prazo. Vale de tudo, desde abrir o guarda-roupa e começar a selecionar uns desapegos para vender na internet até fazer algum trabalho artesanal que você sempre deixou de lado. Também vale a pena cancelar ou reduzir alguns serviços. Seu plano de celular, por exemplo. Será que você pode optar por um mais barato? Vale a pena buscar formas de reduzir custos para fazer sua reserva financeira durar mais tempo.  

5º dia: descubra você mesmo

Agora que você já tem clareza da sua capacidade financeira e já realizou ações de curtíssimo prazo para levantar um dinheiro extra, separe este dia para conhecer a si mesmo. Navegue pela internet em busca de testes comportamentais relevantes, realize as avaliações e leia todos os relatórios de perfil. Caso tenha interesse, você poderá realizar o nosso teste comportamental gratuitamente . Reflita sobre seus pontos fortes e fracos e, se necessário, faça anotações. Você usará essas informações nos próximos dias.

6º dia: avalie o mercado

O conhecimento mais abrangente sobre suas fortalezas e interesses é essencial para que você consiga definir os tipos de organizações que deseja trabalhar e também os cargos e salários que melhor se encaixam com seu perfil. Para ajudar a encontrar melhor as empresas, recomendamos que acesse portais de emprego como o VAGAS.com.br, que é gratuito. Tenha ao lado do seu computador as anotações de si mesmo do dia anterior 😉

7º dia: trace seu discurso de venda

Uma vez que você já tem definido o perfil das empresas em que deseja trabalhar, chegou a hora de escrever seu “discurso de venda”. Assim como um produto na prateleira do supermercado, liste os seus diferenciais competitivos, as suas principais habilidades e sua faixa salarial. Essas informações serão essenciais para a elaboração de seu currículo e também na avaliação de possíveis vagas.

Como se preparar para retomar as buscas por emprego

Depois dos sete primeiros dias, é hora de começar a responder a pergunta “Fui demitido e agora?” procurando emprego. Pode ser difícil no começo, mas se você conseguir criar uma rotina para isso, vai ser mais fácil e – possivelmente – mais eficiente. Veja o passo a passo. 

Trace um plano de carreira

Aproveite o momento para pensar na sua carreira e definir seu objetivo. Onde você quer chegar? Qual o seu plano? Se você nunca traçou um plano de carreira, este pode ser o melhor momento para isso. Para saber como fazer isso, veja 7 etapas para planejar a carreira profissional e crescer.

Atualize (e divulgue) seu currículo

Atualizar seu currículo é muito importante para começar a procurar emprego. Aproveite que sua memória está fresca, anote todas as suas realizações no último cargo que ocupou, todas os cursos que fez e certificações que obteve. Empenhe-se o máximo que puder nessa atualização para deixar o currículo realmente interessante para quem ler. Ele é seu cartão de visitas e seu desempenho em praticamente todo processo seletivo depende dele inicialmente. 

Faça cursos complementares 

Aprender sempre é bom. Portanto, aproveite o tempo que você tem agora para buscar novos conhecimentos na sua área de atuação. Ou, se você quer mudar de área, na nova área em que você pretende atuar. Aqui, valem inclusive as opções de cursos online gratuitos

Crie conteúdos sobre sua área (se possível)

Se você gosta de escrever e tem algum conhecimento que seja interessante de compartilhar, uma ideia é começar a criar conteúdos para distribuir pelas redes sociais. Essa estratégia traz visibilidade para você e ativa seu networking. Mas vale o alerta: faça isso apenas se você de fato tem conhecimento para compartilhar e sabe como colocar isso em forma de texto. Um texto mal escrito ou um simples “copiar e colar” podem ter efeito inverso, ok?

Faça conexões com profissionais do seu segmento

Ativar e ampliar o networking nesse momento é muito importante para agilizar a sua recolocação. Comece fazendo contato com pessoas que você já conhece, deixe-as saber que você está procurando emprego. Depois, tente contato com pessoas da sua área que ainda não conhecem o seu trabalho, mas podem ser boas fontes de indicação. A dica é fazer isso com cuidado, sem ser inconveniente. Saiba melhor como fazer isso neste post Como fazer networking: dicas para não virar um chato.

Cadastre seu currículo no VAGAS.com.br e aproveite inúmeras oportunidades de emprego. Se você já tem um cadastro, atualize-o aqui.