Home > Carreiras > Quiropraxia > Quiropraxista. Que raio é isso?

Quiropraxista. Que raio é isso?

Técnica diagnostica, trata e previne qualquer desvio na coluna

por Silvia Pimentel
fotos por Rogerio Montenegro

Pelas estatísticas mundiais, anomalias na coluna vertebral afetam cerca de 80% da população. “A coluna é um órgão sagrado. E pode colocar facilmente um funcionário de molho.” Quem afirma é David de Mário Porto, que trocou um trabalho ligado à área de processamento de dados, sua formação inicial, para ser um quiropraxista. Dono de uma veia empreendedora, ele foi atraído pela estatística alarmante numa época em que, no Brasil, mal se falava na técnica que diagnostica, trata e previne desvios de qualquer natureza na coluna.

Depois de concluir curso de quatro anos na Universidade Anhembi Morumbi, Porto passou a atender em domicílio, trabalhou em academias e, mais tarde, abriu sua primeira empresa, especializada na implantação de ambulatórios internos nas companhias que investem na saúde de seus funcionários. A ideia era introduzir quiropraxistas no meio empresarial. A técnica terapêutica que usa somente movimentos precisos das mãos vem ganhando força e fama. Até os jogadores da seleção brasileira já a experimentaram.

“Atualmente, no Brasil, cada vez mais as empresas se preocupam  com a saúde de seus funcionários”, diz. Outro dado que chamou a atenção dele antes de se formar diz respeito ao tamanho do mercado de bem estar e qualidade de vida. De acordo com David, o segmento deve movimentar 10 trilhões de dólares até 2020. “É um mercado monstruoso, assim como os gastos das empresas no mundo inteiro provocados pela falta de funcionários por problemas de saúde”, analisa.

Cenário atual é muito bom
Além de atuar no meio empresarial, um quiropraxista  pode trabalhar em clínicas, academias, clubes ou investir em seu próprio consultório. “O cenário para a profissão é bom. E entre as várias profissões na área de saúde é a que oferece a melhor remuneração”, garante. Embora a técnica faça parte de uma profissão não regulamentada, a população cada vez mais toma conhecimento da sua existência, usufruindo de seus benefícios.

Davd Porto

A quiropraxia é uma técnica inovadora que diagnostica, trata e previne toda e qualquer desordem do aparelho locomotor que envolva os ossos, ligamentos, tendões, articulações e músculos. A formação acadêmica é importante, entre outras razões, porque ensina o profissional e interpretar exames de imagens, avaliar e diagnosticar o tipo de lesão e a melhor técnica de tratamento.

Recentemente se descobriu os benefícios da técnica manual no alívio de cólicas menstruais e bronquite asmática. Como as mãos são o principal instrumento de trabalho, os candidatos a ingressarem na profissão devem saber que precisam gostar muito de tocar nas pessoas, avisa Porto. “Essa peculiaridade da profissão resulta numa comunicação mais próxima com o paciente, às vezes maior que a estabelecida com os médicos”, afirma. Em alguns casos, a quiropraxia alivia dores imediatamente, além de restaurar a mecânica articular e estimular o funcionamento do sistema nervoso.

Prática não é regulamentada no Brasil
De acordo com dados da Associação Brasileira de Quiropraxia (ABQ), o método terapêutico está estabelecido em mais de 90 países e é regulamentado por lei em várias nações. No Brasil, a regulamentação é discutida há uma década, o que não impede o aumento da procura pela profissão. Por enquanto, somente duas instituições de ensino têm autorização do Ministério da Educação para oferecer cursos de bacharelado: a universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo, e a universidade Feevale, no Rio Grande do Sul. A ABQ tem cadastrados mais de 800 profissionais em todo o Brasil.

De acordo com a coordenadora do curso de quiropraxia da Anhembi Morumbi, Ana Paula Sacchinato, integrante da primeira turma formada pela universidade, há 15 anos, a instituição abriu recentemente um curso noturno para atender ao aumento da demanda. O curso tem sido procurado por pessoas que já atuam na área de saúde, como fisioterapeutas, enfermeiros, cuidadores e também por estudantes que acabaram de concluir o ensino médio e desejam ingressar na área de saúde.