Home > Carreiras > Letras > Tatiana traduziu paixão em carreira

Tatiana traduziu paixão em carreira

Por Fernanda Bottoni

Aos 11 anos, Tatiana Guedes se apaixonou pela língua inglesa e decidiu que era isso o que faria da vida. “Isso aconteceu quando eu estudava inglês na Fisk e tinha uma professora que cursava Unibero”, diz. Ela seguiu o exemplo da professora e se formou em tradução e interpretação na mesma faculdade, que agora se chama Anhanguera.

Hoje, aos 35 anos, é gestora de qualidade da tradução na Expedia, Inc.

Sua carreira começou meio que por acaso. Ainda quando estava estudando, no segundo ano, uma professora disse que uma aluna dela de outro ano estava procurando estagiários para recomendar para a empresa em que trabalhava. Foi assim que, aos 18 anos, Tatiana começou a trabalhar com tradução em uma empresa de localização. “Nunca mais deixei de trabalhar com isso. Dei sorte porque sou a única pessoa da minha turma da faculdade que conseguiu trabalhar na área. Mas meu sonho de verdade ainda não está realizado”, confessa. Seu sonho é traduzir livros e revistas.

Em 17 anos de carreira, ela trabalhou como tradutora, revisora, gerente de projetos e gerente de fornecedores.

“Em todos os cargos e empresas aprendi muito, mas o mais marcante foi aprender a lidar com diferentes personalidades e diferentes culturas. Isso me ajudou a ficar mais tolerante e paciente.”

Tatiana ama traduzir, pesquisar termos, encontrar a maneira exata e mais atraente de criar um texto em português sem perder ou modificar a mensagem do original. A parte chata do trabalho, ela diz, é que, em localização, é preciso mexer com muitas coisas técnicas, como bancos de dados.

Dicas de carreira de Tatiana

  • Para ser tradutor é essencial ter domínio sobre seu idioma nativo (no caso, o português), pois os textos serão criados por você em seu idioma.
  • É importante também ter conhecimento do inglês atual. Para isso é preciso ler muito em inglês e assistir filmes e séries para entender sutilezas do texto original.
  • Não pense que vale a pena cobrar abaixo do mercado para conseguir entrar na profissão. Isso será mal visto pelos colegas e renderá trabalhos que nem sempre serão gratificantes.
  • É preciso fazer networking, entrar em fóruns de tradutores, ter um perfil atualizado no LinkedIn, participar de congressos, fazer contatos… Se você for tímido, por favor, não deixe ninguém perceber.