Home > Carreiras > Engenharia de Meio Ambiente > A importância do engenheiro ambiental

A importância do engenheiro ambiental

Curso ocupa lacuna deixada por outras engenharias quanto ao meio ambiente

por Marcus Lopes

A crise hídrica enfrentada pela região Sudeste e as enchentes no norte do País mostram a importância do engenheiro ambiental hoje e nos próximos anos. Trata-se do profissional apto a trabalhar em todas as áreas e funções relacionadas ao meio ambiente, através do planejamento, coordenação e administração de projetos relacionados ao bem estar da população e da região onde ela vive, tais como: captação e tratamento de água e esgoto, resíduos (lixo), recuperação de áreas ambientalmente degradadas, estudos de impacto ambiental em grandes obras etc.

“O curso de engenharia ambiental ocupa uma lacuna deixada por outras engenharias no que diz respeito à preocupação com aspectos ambientais dos processos criados pelo homem. É o único profissional de graduação que, além das técnicas de engenharia, consegue estabelecer fortes relações com o ambiente que o cerca”, explica o coordenador do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Alfenas (Unifal-MG), Leonardo Henrique Damasceno.

Mas não basta estar antenado com a questão da preservação do meio ambiente. O professor destaca que, por tratar-se de uma modalidade da engenharia, é importante que o aluno adquira uma sólida formação em exatas para conquistar um bom espaço no mercado de trabalho.

Viés ambientalista
“Alguns estudantes começam o curso com um viés ambientalista, que de fato é importante e muitas vezes é a grande motivação do aluno em cursar engenharia ambiental. Entretanto, é necessária forte fundamentação em ciências exatas, que são necessárias ao futuro profissional”, afirma Damasceno.  “Ou seja, gostar de matemática, física e química, além da biologia, é pré-requisito fundamental. E ser ambientalista pode não ser um pré-requisito necessário”, completa o professor da Unifal-MG.

Ele tem tazão. O curso dura, em média, cinco anos e mescla aulas de exatas e biológicas. Ao lado de disciplinas como saúde e higiene ambiental, planejamento e gestão ambiental e geotecnia ambiental, o aluno estuda matérias típicas da engenharia. Entre elas, geometria analítica, cálculo, física e estatística.

As boas oportunidades de trabalho estão no setor público e privado, em todas as regiões do País, tendo em vista a importância cada vez maior da gestão do meio ambiente para a sociedade. A nova Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), por exemplo, exige que todas as prefeituras eliminem seus lixões a céu aberto e passem a tratar o lixo em aterros sanitários apropriados.

Recursos hídricos
A boa gestão dos recursos hídricos passou a ser prioridade dos governos após as secas que castigam regiões do Sul e Sudeste e as empresas são cada vez mais obrigadas a preservar o meio ambiente das regiões onde estão instaladas.

Cursos de extensão, estágios e programas de intercâmbio como o Ciência Sem Fronteiras são importantes para consolidar a formação profissional. “Bons profissionais dificilmente encontram dificuldade em colocar-se no mercado. Mas esperar que somente o conteúdo dado em sala de aula seja suficiente para obter uma excelente colocação é excluir sua responsabilidade e transferi-la somente para a instituição. Portanto, mexam-se”, diz o professor.

*Confira todas as dicas de carreira do Guia VAGAS Profissões