Home > Carreiras > Direito > A conquista dos jovens no Direito

A conquista dos jovens no Direito

Por Fernanda Bottoni
Foto de Rogério Montenegro

Ele gostava das matérias de Humanas quando, ainda no Ensino Médio, decidiu que estudaria Direito. De cara, Fernando Cordeiro, hoje com 36 anos, passou no vestibular da Faculdade de Direito da USP e começou a ir atrás do seu sonho. “O Direito já me interessava muito e eu comecei a carreira ainda na faculdade, fazendo estágio no Departamento Jurídico XI de Agosto”. Conta que atendia, sobretudo, casos de Direito de Família.

Quando se formou, decidiu arriscar e criar um escritório com seu irmão mais velho — pouco mais velho, dois anos apenas — que também havia seguido a profissão. “Abrimos o Cordeiro e Cordeiro Advogados Associados, especializado em Direito Empresarial, no centro de São Paulo”.

O mais complicado no início, claro, foi conseguir clientes. Visivelmente jovem e recém-formado, Fernando penou para superar o preconceito. “Muita gente me olhava e com certeza já pensava que eu fosse um moleque”, conta ele, que muitas vezes era descartado sem qualquer chance de mostrar seu potencial.

Esse obstáculo Fernando venceu investindo na sua formação, estudando muito e prestando sempre atendimento sério e diferenciado a todos os clientes. “As coisas acabaram acontecendo naturalmente”, aprendendo desde cedo a não desistir. “Por mais que você seja jovem, se você estudou e se dedicou, precisa lutar pelos seus objetivos sempre”, afirma, categórico.

Sócio do irmão até hoje, Fernando tem uma rotina bem estabelecida. Pela manhã, ele toma um bom café lendo os principais jornais para estar sempre bem informado. A labuta começa cedo, mas, no fim do dia, ele tem tempo para praticar esportes. “Faço musculação, corrida e natação”.

Apesar de ser apaixonado pela advocacia, ele confessa que ela tem, sim, uma parte chata, já que algumas vezes ele se sente desrespeitado no exercício da profissão. “Isso ocorre, às vezes, exatamente por pessoas que deveriam colaborar com nossa atividade”, afirma.

Por outro lado, Fernando acredita que a amplitude da advocacia e os desafios do dia a dia são as partes mais instigantes da sua área. “Sempre temos algo novo, sempre estamos aprendendo”, diz ele, com brilho nos olhos. “O bom advogado não tem que saber só temas da área jurídica, mas saber também de política, economia e outros assuntos que têm a ver com a sociedade”, ressalta.

Dicas de carreira do Fernando

  • Quem faz Direito precisa sempre se atualizar e estudar. A advocacia é um aprendizado constante;
  • É preciso fazer cursos na área o tempo todo, procurar sempre adquirir cultura geral, não se limitando ao Direito;
  • Também é preciso estar muito bem informado e saber o que ocorre no mundo. Um bom advogado tem que ter uma visão ampla dos acontecimentos e da sociedade em que vive.