Home > Acontece > Acontece no Mercado > Uma rede para chamar de sua no ambiente de trabalho

Uma rede para chamar de sua no ambiente de trabalho

por Flavia Pegorin

Sim, hoje em dia estar conectado a uma rede é muito importante. E não, não é só o caso daquela rede social onde você posta fotos das crianças e fica sabendo sobre o almoço ou jantar daquele amigo. Estar em rede no plano online é essencial, sim, mas a verdadeira conexão deve começar antes disso. No ambiente de trabalho, por exemplo, é bom saber quem está do seu lado e poderá jogar a seu favor quando for necessário.

Quando se fala em manter uma rede de colegas no âmbito profissional, existem aquelas pessoas fáceis de ficar em contato – como antigos camaradas superbacanas com quem a gente faz questão de sempre marcar um happy hour ou o primeiro chefe que tivemos na vida. Mas nem sempre são essas as pessoas com quem é vital manter contato. É legal, mas talvez não seja crucial. Dada a imprevisibilidade do trabalho (ou seja, você nunca sabe quando você vai precisar de suas conexões), estar em contato com um vasto leque de pessoas é mais importante do que se imagina.

Especialista em carreiras e criadora de um site dedicado a ajudar executivos, a norte-americana Sara McCord escreveu um artigo recente falando sobre o tema no site The Muse. Ela diz que “quando você está pensando sobre a construção e promoção da sua rede, não basta falar com os contatos mais óbvios”. Sara sugere que, profissionalmente, todos nós achemos um tempo para nos conectar regularmente com três tipos de pessoas que, na hora H, podem ser decisivas para um avanço no trabalho. Então dê um tempinho na organização daquele divertido churrasco com a moçada mais animada do último emprego e olho vivo para valorosos “amigos”.

1. Alguém que te incentivou a dar o seu melhor
Pode ser um antigo professor ou um supervisor – alguém, mesmo do passado, que tenha te “empurrado” em um momento difícil. Talvez você e essa pessoa estejam sempre se telefonando para manter a proximidade… Mas talvez não. É que a maioria de nós tem mesmo a tendência de ficar em contato apenas com as pessoas com as quais nos demos bem desde o início (e deixamos um pouco de lado aquele que “azucrinou”, forçando nosso melhor). Mas pense bem: a pessoa que te incentivou não viu só a superfície, mas notou que ali tinha mais potencial. “E quando se trata de oportunidades de carreira futura, esse é definitivamente alguém que você quer do seu lado”, lembra Sara McCord. Se o contato com essa pessoa ficou um pouco atrasado, mesmo que por anos, tudo bem: uma boa oportunidade para retomá-lo, segundo McCord, é em um momento que você estiver bem, numa boa fase. Você pode ligar, contar sobre uma promoção ou prêmio, e então atualizar a pessoa sobre suas conquistas mais recentes – aproveitando para agradecer o apoio de sempre e pedir conselhos. Porque você sabe que, ali, eles serão valiosos.

shutterstock_160034861 oi

2. Um contato que se ofereceu para te ajudar
É a mesma coisa: alguém que algum dia se dispôs a falar bem de você ou encaminhar seu currículo ou indicá-lo para uma vaga sabe o seu valor. Essa é uma pessoa que está no seu time (e, supondo que você correspondeu às expectativas antes, provavelmente ela irá recomendar você de novo). “A chave está em perceber a diferença entre alguém que até lhe dá uma referência quando você pede e alguém que se oferece espontaneamente para realmente falar algo bom de você no mercado”, diz Sara McCord. Esse é o tipo de pessoa que irá até mesmo ser boa para debater com você algumas ideias de que caminho seguir se acontecerem aquelas encruzilhadas profissionais de se transferir para outra cidade ou mesmo se você decidir mudar de área. “Sempre que você se encontrar em uma transição, essa pessoa deve ser uma das suas primeiras ligações”, sugere Sara. Diga a ela o que você pretende fazer e depois pergunte pra ela se tem contatos ou conselhos a somar. Muito provável que virão a calhar.

3. O melhor assistente ou estagiário de todos
Provavelmente você sempre ouviu que deve manter conexões com pessoas de níveis acima do seu, os “grandões”, a diretoria. Mas olha a pegadinha da vida: é quase certo que a pessoa naquele papel de suporte, num cargo menor ou ainda muito júnior, não ficará pra sempre no apoio (especialmente quem é notadamente muito bom no que faz). Nossa rede de contatos deve acontecer em todas as direções. Alguém que trabalha ou trabalhou com você como assistente, subordinado, um estagiário do departamento talvez precise mais da sua referência hoje, mas pode assumir uma liderança amanhã e surpreendê-lo. Se já se lembrou de alguém assim e quer tê-lo de volta na sua rede, como antigo superior você pode dar o primeiro passo: envie um email rápido ou mensagem pelas redes sociais, fique sabendo como ele vai, veja se o vínculo ainda existe por parte dele. “E, por favor, não subestime as pessoas”, lembra Sara McCord. “Uma rede só funciona com todos os elos bem engajados.”