Home > Acontece > Acontece no Mercado > Estagiário mais velho se destaca pela maturidade

Estagiário mais velho se destaca pela maturidade

Realidade mudou e cresce o número de estagiários com mais de 40 anos

por Guss de Lucca
fotos: arquivo pessoal

A figura do estagiário é normalmente associada a uma pessoa jovem, sem experiência no mercado de trabalho e, obviamente, cursando uma faculdade. Porém, essa realidade tem mudado bastante. Em grande parte pela entrada “tardia” de estudantes nas universidades e também por pessoas que decidem mudar de área após anos de trabalho no mesmo ramo.

“Não existe idade certa para fazer estágio. É mais comum entre o pessoal na faixa dos 20 anos, mas há cada vez mais estagiários mais velhos e a aceitação para esse público cresceu bastante”, explica Yolanda Brandão, coordenadora de treinamentos externos do Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios).

De acordo com ela, até 2012 o número de estagiários administrados pelo Nube com mais de 40 anos era equivalente a 1,5% do total. No ano seguinte a empresa detectou um aumento de 32%. “Pode parecer pequeno, mas é um crescimento interessante”, afirma Yolanda, reiterando que apesar da aceitação, é comum que exista um estranhamento inicial diante do estagiário mais velho.

Resistência por conta da idade
“É comum que o chefe, geralmente mais novo, acredite que possa haver uma resistência por conta da idade. Mas quando o candidato é transparente e explica suas razões, isso passa. As empresas têm aceitado isso pois o mundo está mudando. Décadas atrás pessoas com tatuagem não tinham aceitação no emprego formal, mas hoje a tatuagem é até banal em alguns ambientes”, compara.

Para Yolanda o maior questionamento, na verdade, é referente à remuneração – um ponto confirmado pela radialista Laura Mafei. Ela largou a carreira em educação física para perseguir o sonho de fazer rádio e tv e entrou em um novo estágio aos 29 anos.

“Quando terminei o terceiro ano de educação física eu já estava trabalhando como professora e técnica de basquete de um colégio particular. Mas sentia que faltava algo e acabei indo morar na Espanha, onde passei dois anos trabalhando no canal de TV Eurosport. Lá me apaixonei por televisão e decidi fazer isso assim que voltei ao Brasil”, conta ela, que atualmente trabalha coma assessora de imprensa.

Laura Mafei2Parte financeira pode ser problema
Laura (foto ao lado) tentou usar a experiência no exterior para conseguir direto um cargo registrado, mas acabou percebendo que não teria como fugir do estágio. “Um aspecto muito difícil foi a parte financeira. Eu ganhava três vezes mais antes de começar o estágio. Mas como tinha que iniciar minha carreira tive que fazer algumas concessões – cortei a TV à cabo, mudei o plano de celular…”, conta.

Mas nem tudo era ruim. A carga horária de seis horas permitiu a Laura ter mais tempo para se dedicar aos estudos. Hoje efetivada, ela analisa o estágio tardio com bons olhos. “Descobri que existem empresas que preferem o estagiário com mais de 25 anos. Na época achei que era um peixe fora d’água, mas depois de pesquisar o setor vi que era algo cada vez mais comum.”