Home > Acontece > Acontece no Mercado > Disciplina e organização: requisitos da EAD

Disciplina e organização: requisitos da EAD

por Rejane Tamoto
fotos por Ailton de Oliveira

Disciplina, dedicação e organização são requisitos básicos dos alunos de Educação à Distância (EAD). O resultado é que eles são donos do próprio tempo de estudo e da velocidade de aprendizado. Isso é o que dizem os estudantes que escolheram esse modelo de ensino e tiraram a experiência de letra. Eles tinham diferentes objetivos: voltar ao mercado de trabalho, dar um desfecho a um projeto acadêmico depois de uma longa pausa e buscar novos horizontes profissionais. Com bom aproveitamento, aprenderam a fazer a gestão do tempo para conciliar estudos, família e trabalho.

Para quem tem filhos, a EAD também representa qualidade de vida em família sem abrir mão da atualização profissional. Esse foi um dos motivos que fez Silvia Cristina dos Santos Vargas, de 37 anos, iniciar neste ano a pós-graduação à distância em Gestão da Segurança de Alimentos no Senac. Formada em ciências biológicas em 2007, em Araxá (MG), Silvia parou de trabalhar para cuidar dos três filhos, hoje com nove, 13 e 16 anos.

“É muito bom porque posso acompanhar a educação deles de perto. É preciso disciplina para não se perder, pois tenho de estudar enquanto eles estão na escola, e cumprir a minha carga de 15 horas semanais na pós- graduação”, relata. Em São Paulo desde 2010, Silvia quer voltar para o mercado e trabalhar no ramo de alimentos. Ao comparar a EAD com o ensino presencial, ela diz que utiliza o mesmo método de estudo.

Vídeos e webconferências
“No começo eu estava apenas lendo o material e percebi que precisava anotar as explicações durante os vídeos e webconferências. Outro detalhe importante é que adquiri um pouco de conhecimento tecnológico para sair de algumas situações. Um exemplo é a necessidade de instalar softwares e o navegador certo para abrir determinados arquivos”, conta Silvia (foto abaixo).

IMG_3265 op

Nove anos foi o intervalo de tempo para que Daniela Munerato, de 40 anos, retomasse uma pós-graduação em psicopedagogia na Unip. Ela havia feito o curso presencial, mas engravidou e interrompeu os estudos. Quando decidiu retomar, voltou ao mesmo curso para fazer a monografia, só que desta vez à distância. “Fiz de novo outras disciplinas durante um ano, e as concluí em 2010. Acho que a EAD vale a pena por causa da administração do tempo. Gostei muito das videoaulas. Um ponto interessante da EAD é a possibilidade de retomar os diálogos feitos na estrutura online, onde tudo fica registrado, em outro momento e fazer uma reflexão”, pontua.

Desafios de alguns cursos à distância
Daniela é orientadora educacional e já deu aulas online na Escola da Vila, em São Paulo. Talvez por isso considere que um desafio de alguns cursos à distância é individualizar mais a avaliação do aluno. “Há muitos testes e acredito que essa etapa poderia ser mais reflexiva”, opina. Neste ano, ela fez outro curso à distância, a de Educador Lúdico na USP, com duração de dois meses. “Foi uma experiência interessante interagir com pessoas de vários lugares”, comenta.

Já para Daniel Landi de Oliveira, de 30 anos, concluir a graduação à distância em gestão financeira na Fundação Getúlio Vargas (FGV) exigiu bastante dedicação, mas foi uma experiência muito gratificante. Abriu tanto o horizonte que ele agora quer deixar a empresa familiar, um grupo de concessionárias de veículos do qual é gerente administrativo-financeiro, para trabalhar em uma organização de grande porte.

essa

“Sei que será um desafio por causa da minha idade e pelo tempo em que estou na empresa da família. Mas sinto necessidade de fazer isso para evoluir profissionalmente”, ressalta. Ele acredita que a EAD foi uma escolha certeira para o seu retorno aos estudos, já que deixou o ambiente acadêmico em 2002, quando se dedicava exclusivamente à carreira de piloto de Stock Car.

Agilidade do retorno dos professores
“Consegui evoluir bastante com as leituras e os exercícios. Eu era o responsável pela minha carga horária e estudava três horas por dia e mais um período do fim de semana para fazer trabalhos. Tinha de participar das reuniões online em tempo real com os professores e colegas em uma data marcada”, conta. Uma das coisas que Oliveira mais gostou foi a agilidade do retorno dos professores que atendem as turmas na EAD, principalmente quando cursou as matérias de exatas.

“O tempo de estudo aumentou conforme as disciplinas ficaram mais complexas. Meu aproveitamento foi excelente e acho que foi uma das melhores coisas que fiz na vida”, conclui.