Home > Acontece > Acontece no Mercado > Acidentes de trabalho: Brasil ainda ocupa quarto lugar no ranking

Acidentes de trabalho: Brasil ainda ocupa quarto lugar no ranking

Qual o papel das empresas e o que deve ser feito para proteger funcionários

por Eduardo Eberhardt*

Em 2018 o Brasil ficou em quarto lugar no ranking de países com mais acidentes de trabalho. Infelizmente, não é o ranking que gostaríamos de participar, mas o país sustenta esse patamar há alguns anos. São registrados cerca de 700 mil acidentes por ano, segundo dados do Ministério da Previdência Social.

Na Avanti Engenharia monitoramos esse número com atenção: de acordo com levantamento do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, entre 2012 e 2017 foram registrados mais de 4 milhões de acidentes, ou seja, a cada 48 segundos ocorre um acidente no país. Mas, como prevenir que eles aconteçam?

Como prevenir acidentes de trabalho?

Primeiramente, vamos aos fatos: um acidente pode ser causado por práticas inseguras do próprio trabalhador, como não usar os equipamentos adequados para mexer em uma máquina perigosa, por exemplo, ou ainda devido a condições inadequadas no ambiente de trabalho.

Para quem trabalha em ambientes insalubres ou de alto risco, por exemplo, é importante conversar com o RH ou setor responsável para informar caso veja alguma situação de falha na segurança ou pessoas que não utilizam os equipamentos adequados. É importante também não arriscar: caso a empresa não forneça EPIs, o funcionário deve sim solicitar (ou ainda buscar emprego em um local mais assegurado).

O ideal é que as empresas tenham manuais para prevenção de acidentes, treinamentos recorrentes com bombeiros e e ainda que organize uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA). Além disso:

  • Todas as normas regulamentadoras que indicam como deve ser o ambiente de trabalho devem estar atualizadas e dentro da legislação;
  • Os exames periódicos dos funcionários devem estar em dia, atestando aqueles que não estão aptos a trabalhar;
  • Engenheiros e técnicos de segurança do trabalho precisam analisar a estrutura da empresa e certificar de que o ambiente está adequado;
  • Os funcionários precisam utilizar os equipamentos de segurança corretamente e não se arriscarem na manipulação de máquinas perigosas, andaimes mal instalados, entre outros problemas que ponham sua vida em risco.

Uma consultoria de medicina do trabalho também deve auxiliar a empresa sobre esses assuntos, não deixando faltar nenhuma análise ou exames para funcionários. Dessa forma, a chance de evitar tragédias aumenta incalculavelmente.

Existe uma cultura de prevenção de acidentes?       

Algumas empresas conseguem implantar CIPAs e organizar grupos de discussão sobre como evitar acidentes de trabalho com mais facilidade, mas ainda são minoria no Brasil, especialmente em áreas como construção e indústria, que concentram a maior parte dos acidentes. É possível ver situações óbvias de risco desnecessário, como andaimes improvisados, equipamentos elétricos sem instalações corretas, entre outros problemas.

A cultura da prevenção e manutenção do ambiente de trabalho ainda não é a mais adequada. Não é possível identificar, em grande parte das empresas, segurança e saúde do trabalho como prioridade.

É de extrema importância que a segurança e a saúde no trabalho se tornem parte natural da nossa cultura. Além desse esforço é necessário haver um trabalho contínuo que una instituições federais, estaduais e municipais, universidades e organizações do sistema S (Sesc, Sesi, Senai) para conscientização geral da segurança no trabalho e diminuição dos índices gravíssimos que vemos atualmente.

*Eduardo Eberhardt é engenheiro do trabalho, proprietário da consultoria de medicina do trabalho Avanti Engenharia de Segurança e Saúde Ocupacional.