Diversidade no Recrutamento e Seleção: 5 táticas valiosas

Diversidade no Recrutamento e Seleção é um tema cada vez mais relevante. Políticas de R&S que contemplem a diversidade e inclusão são fundamentais para o desenvolvimento da cultura e representatividade dos perfis de consumidores dentro da organização. O Brasil, por exemplo, é um país diverso em raça, identidade de gêneros, orientação sexual, entre outros fatores. Uma empresa só consegue entender e engajar esses diferentes públicos e suas particularidades se contar com colaboradores que possam representá-los da melhor forma.

 

Como mostra um dos estudos mais relevantes sobre o tema, desenvolvido pela McKinsey & Company e intitulado Why Diversity Matters, empresas que estão liderando em diversidade também são aquelas que financeiramente performam melhor que seus competidores.

 

Apesar disso, sabemos que existe um caminho longo a ser trilhado em praticamente todas as empresas do Brasil para que as balanças da diversidade finalmente se equilibrem. E uma das peças fundamentais para que isso aconteça é a área de Recursos Humanos, que precisa repensar a forma como conduz seus processos seletivos e, principalmente, desenvolver sua cultura para que todos os perfis sintam-se aceitos, acolhidos, respeitados e com oportunidades iguais no ambiente de trabalho.

 

Pensando nisso, criamos esse post com 5 dicas para estimular a diversidade no Recrutamento e Seleção. Com ações simples você já pode começar a fazer a diferença em pouco tempo.

 

1 – Repense seus anúncios de vagas

É muito comum encontrarmos títulos de cargos ou expressões dentro dos anúncios que discriminam e afastam determinados perfis, nós mesmos já cometemos esse erro. Imagine que você é uma mulher e encontra diversos termos que parecem restringir a participação de homens em uma determinada posição, por exemplo: Engenheiro Civil, proativo, formado etc. Qual é a probabilidade de você, como mulher, acreditar que aquela empresa está preparada para recebê-la e tratá-la com igualdade? Mostrar preocupação  em contemplar diferentes gêneros em seus anúncios é um bom passo.

 

2 – Esqueça nomes, idade, sexo, estado civil, número de filhos e Instituição de Ensino

O currículo, por ainda ser visto em muitos casos como um documento, traz informações pessoais que não deveriam ser relevantes para a seleção, como todas as citadas no título desse segundo tópico. São dados que deveriam ser úteis apenas para casos em que o candidato foi selecionado e que as informações cadastrais são necessárias. O ideal é que nenhuma delas seja utilizada como critérios de triagem e que, principalmente, ao encaminhar os currículos finalistas ao requisitante, os profissionais de recrutamento e seleção eliminem esses trechos ou recomendem uma leitura sem julgamentos nessa parte. Essa ação minimiza a possibilidade de vieses inconscientes ou conscientes dentro do processo.

 

3 – Mostre que sua empresa se importa com a diversidade

Se sua empresa já explora práticas de inclusão, mostre isso ao mundo. Apresente seus programas e ações voltadas para minimizar o problema e compartilhe seu ambiente de trabalho e a composição das equipes para que os potenciais candidatos tenham condições de se imaginarem nelas. Canais como sua página de trabalhe conosco, sites de empregos e redes sociais são excelentes para esse tipo de divulgação. E passa a ser cada vez mais comum que profissionais de recrutamento e seleção utilizem fotos e vídeos para exibir tudo isso.

 

4 – Repense sua política de R&S

Algumas empresas estão definindo novas regras para que os processos seletivos se tornem mais inclusivos. Em alguns casos, as equipes estão considerando um percentual mínimo de diversidade necessária (gênero, raça, deficiência) para que um processo possa seguir para a fase de entrevistas. Enquanto esse equilíbrio mínimo necessário não é atingido, ele não avança. Vale pensar se essa ou outras regras de inclusão poderiam ser definidas e implantadas na política de R&S da sua empresa.

 

5 – Use a Inteligência Artificial a seu favor

Os softwares de Recrutamento e Seleção, como o VAGAS e-partner, estão evoluindo sua capacidade de analisar o fit entre empresa e candidato automaticamente e em questão de segundos, tudo isso graças aos algoritmos de machine learning e a nova era da Inteligência Artificial, que permite que milhões de informações sejam analisadas e correlacionadas em instantes através de ciência de dados.

 

É preciso, porém, garantir que seu parceiro tecnológico tenha a preocupação de fazer a seleção afirmativamente inclusiva ou, ao menos, não excluir ainda mais alguns perfis. Como essas novas tecnologias costumam trabalhar com base em históricos de dados do passado, se sua empresa costumava selecionar perfis muito semelhantes você corre o risco de repetir esses erros com muito mais frequência.

 

Por isso, nossa recomendação é que você e sua equipe sempre questionem quais critérios estão sendo considerados nas triagens automáticas, isso é muito importante!

Todas essas são dicas simples e, como dito anteriormente, são apenas alguns passos para que a Diversidade e Inclusão comecem a fazer parte das responsabilidades de R&S na sua empresa. Fiquem ligados aqui no blog VAGAS genteRH, em breve exploraremos muito mais esse tema.

Deixe um comentário

Por favor, seja educado. Nós gostamos disso. Seu e-mail não será publicado e os campos obrigatórios estão marcados com "*"