Resumo da palestra: Alexandre Pellaes – Vertical ou Horizontal?

Quais as vantagens e desvantagens de um modelo de gestão vertical e horizontal? Alexandre Pellaes, líder corporativo e financeiro da W.L. Gore & Associates do Brasil, apresentou dois modelos de gestão bem diferentes e como essa estrutura pode ser decisiva para o sucesso das companhias.

A primeira reflexão que Pellaes propôs foi a relação cada vez mais próxima das pessoas com a empresa. Para ele, a estrutura organizacional decidi como cada funcionário vai se relacionar com os outros.

Alexandre Pellaes da W.L. Gore responde perguntas no estande VAGAS

A estrutura vertical ainda é predominante e se aplica em muitos pontos da vida. Nesse modelo podemos destacar os seguintes pontos fortes: papéis definidos, as pessoas sabem o que precisam fazer e o que será cobrado, oferece mais segurança às pessoas que fazem parte da companhia. Autoridade e controle são de responsabilidade de alguém, em geral pessoas que estão em cargos de liderança.

A decisão é mais rápida e não envolve muitas pessoas, tempo e dinheiro são economizados.

Já os pontos fracos são falta de transparência nas decisões, as pessoas não sabem o motivo de seu chefe ter tomado aquela decisão, colaboradores sentem a possibilidade de carreira mais distante. A ideia nessa hierarquia é que aquelas que ganham mais são mais felizes.

Nesse modelo, segundo Pellaes, a inovação é sufocada, pois há uma dificuldade em admitir erros e o poder é concentrado no CEO da empresa.

A estrutura horizontal pode ter hierarquia sim, porém em níveis menores e não define a relação de trabalho. O CEO, gerentes e diretores são apenas facilitadores e não mais os tomadores de decisão final. A liderança é flexível e por propósitos, em projetos diferentes. As equipes são multifuncionais.

As pessoas se sentem mais felizes, pois são escutadas. Trabalho em equipe é fundamental nessa estrutura. O custo da equipe é mais barato e o ambiente descontraído colabora para um trabalho mais criativo e inovador.

Alguns pontos fracos dessa estrutura é que muitas vezes essa estrutura é mal compreendida, pode gerar insegurança e sensação de que os projetos não acontecem, pois há uma maior abertura para mudanças no processo. A paixão por esse modelo pode ser momentânea e podem misturar o profissional com o pessoal.

Por fim, Pellaes deixa alguns pontos de reflexão, para o profissional pensar em entrar em uma empresa para fazer a diferença, quebrar paradigmas, respeitar as diferenças e olhar nos olhos das pessoas.

Alexandre acredita que a estrutura horizontal é a tendência para as organizações.



Sorry, the comment form is closed at this time.