5ª edição | 28 de maio de 2015

Eugenio Mussak e Flavio Macau: conceitos de gestão de crise

Eugenio Mussak e Flávio Macau Fórum VAGAS

por Alan Santos

Consultor em Desenvolvimento Humano para Organizações, Eugenio Mussak já escreveu centenas de artigos e vários livros sobre liderança e gestão de pessoas. Entre seus diversos interesses, dedica-se com afinco ao tema da gestão das crises e das oportunidades que podem ser criadas a partir delas. Portanto, chamá-lo para conduzir uma edição tão importante do evento foi um passo natural dado pelo grupo de trabalho formado na VAGAS.com para fazer esse Fórum acontecer.

Ele foi chamado ao palco logo após a apresentação de Murilo Gun e iniciou agradecendo o convite da VAGAS e comentando:

“Obrigado. Vamos falar sério agora. Depois de uma palestra ridícula eu gostaria que me chamassem de ridículo também, porque tudo o que é ridículo está fora da caixa. Acho que o dia de hoje responde a uma necessidade da sociedade sobre como diminuir o sofrimento nos tempos de crise. A proposta é que a gente passe a usar nosso lado infantil não só para resolver nossos problemas, mas para ser feliz. Vamos praticar a combinatividade, como disse o Murilo e sair daqui com uma proposta construída em conjunto.”

Flavio Macau no Fórum VAGASPara trazer o pensamento acadêmico, Mussak convidou Flávio Macau, doutor em Estratégia de Operações pela Fundação Getúlio Vargas, com grande capacidade de síntese para ajudá-lo em uma pesquisa sobre como gerir a crise e compartilhar alguns dados no evento. No palco do Fórum VAGAS, Macau fez reflexões e mostrou dados interessantes sobre como especialistas pensam a crise.

O mestre em Comportamento Organizacional e professor de pós-graduação do Insper explicou que fez uma varredura em várias universidades diferentes para entender a crise. A primeira pergunta a se fazer, segundo ele é: estamos de fato em crise? Segundo o instituto McKinsey:

Vai piorar? 50% do mundo e 30% da América Latina acham que sim. Vamos vender menos? 10% do mundo e 15% da América Latina acham que sim. Flávio disse que esperava encontrar números monstruosos. Mas não foi isso o que aconteceu. Em relação à redução de pessoas, Mundo e América Latina dizem que esperam demitir apenas 20% de seu pessoal. A crise então é oportunidade.

Segundo ele, durante a crise, pensamos que o mundo está acabando. Quem consegue perceber que ela não vai durar para sempre e aproveita a oportunidade sai na frente quando tudo melhorar. Diferentes respostas à crise podem “empurrar” as pessoas a saírem da zona de conforto. O estudioso então finalizou apresentando o que o RH pode fazer para administrar o momento de crise:

  1. Não entre em pânico. Faça uma reflexão fria e ajude a empresa a diagnosticar como realmente seu negócio está sendo afetado;
  2. Ajude os líderes a fugirem das condutas padrão e atuarem em um novo patamar;
  3. Abra o jogo com a equipe. A comunicação transparente traz tranquilidade. “Toque a sirene” apenas nos momentos certos;
  4. Foque nos pacotes de valor e competências que a empresa oferece, no que ela faz de melhor e não em vender produtos;
  5. Crie junto com o cliente.

Flávio acredita que, juntando tudo isso, com certeza as empresas se renovarão.