O teatro silencioso de Tiago Denardi

20/09/2013

Artista jovem de excepcional talento e técnica tanto no desenho como na pintura, Tiago é praticamente desconhecido ainda, mas já tem obras em algumas das maiores coleções particulares de arte brasileira. Isso se deve provavelmente ao fato de trabalhar em silêncio em sua casa, longe das galerias e salões, mas com um afinco e rigor que impressiona, ao primeiro contato, aquele que por ventura se depara com o seu trabalho. Seus temas, aliás, quase se resumem aos objetos encontrados no ambiente doméstico, além dos familiares mais próximos.
Tiago trabalha lentamente, estudando seu universo restrito e organizando, através do desenho e da pintura, aquilo que parece caótico ou casual. Esta organização, visível na própria construção da forma, imbui de significado cenas que parecem displicentemente arranjadas, como num teatro sem texto onde não há distinção entre cenário, figurino e atores. Objetos inanimados parecem dissimular uma certa personalidade, enquanto alguns retratos assumem um aspecto lapidar pelo brilho do grafite.
Em tudo, porém, apesar da intensidade de cores e gestos que nos fazem lembrar pintores como Lucian Freud ou Vincent Van Gogh, persiste uma sensação de silêncio e mesmo de distanciamento que atribui às cenas uma aura ao mesmo tempo estranha e familiar. Esta é a primeira exposição individual do artista.

Ernesto Bonato. Setembro de 2013

 

Nenhum comentário

No comments yet.

Leave a comment